sexta-feira, 29 de maio de 2009

Aquela dor.

.
Porque sinto aquela dor novemente.
aquela a qual jurei nunca mas me render.
juras em vão,  me remetem a uma tristeza que cresce..
querer e não conseguir a ausência de pesamentos sem sentido, me fazem acreditar( mas não sentir) que a  noite é curta o suficiente,  pra o  outro dia chegar e me fazer simplismente... esquecer!
e meus olhos suplicam, o encontro aos teus
tal como minha alma neste istante faz com a tua,  num bailar a dois.
sob a luz de um abajur, e uma música lenta, permaneço na incontrolavel insônia de uma ilusão sem fim, que me impede de acreditar que seja um sonho.
permaneço acordada.
.

3 comentários:

Deize...na minha constante imperfeição disse...

Sob o luar...

Ali encontramos vários sonhos reais, as vezes reais somente naquele instante.

Te amo Flor

Lari disse...

Ah te achei!
Que palavras lindas minha queridas! Escorre a emoção!

.Tatiane Alencar. disse...

Daya, eu nunca senti tanta verdade nas tuas linhas como tenho sido envolvidas por elas nessas ultimas semanas, talvez tenham sido os fatos que a fizera assim, mais fácil pra escrever essas coisinhas que saltam de você como cores num azul de faz bolinhas
.
Amo ler-te através do que colocas aqui e olha...
escreva que eu desgusto com prazer
.
Mas agora mesmo eu queria é te abraçar bem forte!

.

Amo você!