segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Ela


Ela acreditava que sonhos eram realmente escritos nas estrelas, que a vida era algo predestinado e que não existiam por acasos.
Olhava a janela pequena e o quarto sem os tapetes, que tanto queria, e ainda assim sorria. Ela acreditava em lado positivo de todas as coisas, acreditava que todas as pessoas eram confiáveis, como se julgava ser.
Descobrira mais tarde que também não era... Ela contava segredos particulares alheios e escondia-se atras de uma mascara de felicidade. Brincava de viver feliz, brincava com as pessoas, mesmo que por ingenuidade... Mas brincava.. Uma brincadeira doída.
Isso ela descobriu, e queria mudar.
A fraqueza sempre tomou conta de seu ser, ela tinha poucas crenças, acreditava apenas na felicidade atraves dos sonhos escritos nas estrelas e do destino de nossas vidas.  Já não acreditava nas pessoas, não acreditava nela mesma.
Era capaz de sentir a rotatividade da terra, e ouivir ao vento e a seus cochicos com as flores
Ela descobriu seu sonho...  E não era viver.
Ninguém nunca soube, nem nunca saberá nada além de que seu sonho não era viver. 
Ela encontrou os desenhos, as estrelas...
Suspirou pela ultima vez, um pouco depois que a faca rompeu suas veias e o sangue marcou no chão as dores da culposa ingenuidade e simples e pura vontade de não viver.
Nem tudo tem explicação.
Ela foi feliz assim.

3 comentários:

Marcelo Mayer disse...

será? acreditar nessas coisas podem trazer muitos problemas. tem muita gente errada por ai

Tati Tosta disse...

'Quem é ela? Quem é ela...? Pela janela... vejo o mundo enquadrado'

Veio essa música na cabeça enquanto ei lia... Muito latente Day...

Beijos

Joie disse...

Daya,

...que forte e intenso o texto... fiquei perdida.

Beijos de saudades de ti.