segunda-feira, 1 de março de 2010

Quantos passos serão precisos pra alcançar o objetivo?



 Pergunta difícil. Eu não sei, ninguém sabe... Os objetivos variam, as pessoas variam, os caminhos variam.
Sei, que tudo nessa vida se resume a 'viver', precisamos muito viver, antes que o tempo acabe. E sim, tempo acaba! 
Quando se fala em vida, logo assossia-se a uma pessoa interagindo com várias outras, fazendo varias coisas... Rindo, chorando, cantando, dormindo, brincando, trabalhando. Logo, quem deixa de ter contato com as pessoas e/ou passa a atentar-se a um objetivo apenas, simples, não vive!  Porque viver é muito, mas muito mais que estar vivo. Viver, ultrapassa o respirar e só. É um exercício, de paciência, esperança, vontade, medo, dor. Não é fácil, nunca ninguém disse que seria fácil.
A vida é um enigma, um sopro quente numa noite de inverno. Breve.
Assisti a um curta - "O therminal" -  e me pus a pensar, quantas e quantas vezes fazemos a recusa ao convite da vida, nos fechamos no nosso próprio mundo paralelo.
Quantos fecham os olhos a injustiça, ao capitalismo desenfreado que vem bater a nossa porta com o consumismo, punição sem êxito, desonestidade, e não fazem nada! - E fazer nada é muito ruim - Se alienam, se limitam a assistir Jornal nacional, por exemplo, e criticar o MST, acreditar que o movimento GLBTT se resume a parada gay e etc.
Ignorância e solidão são as palavras que não estão com nada. Precisamos ser humildes o bastante pra voltar atrás em alguns pensamentos, nada de "nunca mudo o que penso", isso é ignorância, as pessoas são extremamente mutáveis, a vida é dinâmica, as coisas mudam, as opiniões também e teem de mudar pra melhor, por isso coisas como, ouvir dois lados de uma mesma história, e ser critico às informações que nos passam, tornam a opinião mais concreta, e até 'melhor', como eu disse. Alias, resumo o melhor a favorecer o pobre. Isso! Porque os ricos, em sua maioria, se esquecem, pouco se importam com o pobre. E o pobre? Também!! Este é que é o mais absurdo... Na condição de desfavorecido na sociedade, empobrecido pelo sistema, ainda (alguns) se colocam do 'lado dos ricos', criticando quem vai as ruas, quem clama por justiça. E precisamos não nos isolar, as pessoas nos são necessárias, ja é hora de assumir isso... Necessitamos de abraço, de sugestões e até de críticas, de alguém que nos diga o que pensa e vice-versa. 
A solidão acontece, quando não sabemos mais, nem ouvir, nem falar. Quando nosso espírito se empobrece - e essa pobreza é muito pior que qualquer outra- e nosso corpo inerte nem arrisca os caminhos.
Eu prefiro, arriscar os caminhos, pensar antes de tentar cada um deles, claro! Mas se não der certo, caminhar até o próximo e assim por diante. Eu prefiro sair as ruas gritando, com bandeira na mão e chinelo no pé, que viver num quarto com um computador e um Nike feito por pequenas e mal tratadas mãos. Prefiro gritar, literalmente, por justiça, que cantar funks sem nexos. Eu prefiro, vida e vida em abundância... Logo, prefiro gente, contato, idéias, opiniões! Vou repetir... Eu prefiro VIDA, prefiro viver!
E se fosse eu no lugar do personagem principal do curta, dançaria Raul Seixas com o boneco de concreto e correria nas ruas cantando: "Eu prefiro ser, essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudoooo, sobre o que é o amor..." rsrs.

2 comentários:

Essência e Palavras disse...

Talvez tantos quantos o desejo de se alcançar...

Adorei, o texto. Reflexivo!

Um beeejo, boa semana!

Tati disse...

Que continuemos caminhando. Passoa a passo. Vivendo. Crendo e Agindo e que invernos assim nos lembrem dessa frase boa q vc riscou

'A vida é um enigma, um sopro quente numa noite de inverno. Breve.'